Pêlo na Venta experimenta | Festa da espuma

A teoria de Darwin vem justificar porque é que algumas pessoas acham uma boa ideia, voluntariamente, pagar para se enfiarem dentro de uma espécie de máquina de lavar roupa com uma dose de OMO na boca e realizar toda uma centrifugação de ancas ao som do piririm, piririm, piririm, alguém ligou p’ra mim. Vê o vídeo aqui.

Fui a duas festas da espuma: Uma em minha casa porque fui estúpida e achei boa ideia colocar Super Por na loiça para ajudar a desengordurar – Não correu bem; Outra numa discoteca, ainda nos tempos de faculdade, há uns 9 anos lá para trás. Entretanto descobri que o cérebro humano raciocina e nunca mais voltei a nenhuma.

Não obstante, este tipo de festas merece uma descrição detalhada, na esperança de prevenir futuras acumulações de calcário e entupimentos em mentes curiosas. Aos que já experimentaram, ficam desde já convidados a reavivar as memórias daquela que foi, provavelmente, uma das noites mais húmidas das vossas vidas. #wink

As festas da espuma dão-se normalmente em dois tipos de espaços: num recinto previamente delimitado na praça central da cidade ou, mais comum, numa discoteca. É sobre estas que vamos falar hoje.

Dress code

Ora tu vais apenas para uma discoteca onde há mais um bocadinho de espuma que o normal… (no-jo, estou a falar de espuma de bebidas gasificadas, seus porcos) não vais para uma festa na praia. Portanto, parece lógico não levar equipamento de mergulho pois não me estou a ver a chegar à party de licra térmica, barbatanas nos pés, uma touca e óculos de mergulho como acessórios e uma botija de oxigénio a servir de clutch ou pochette. Não. O que é que a gente faz? A gente é inteligente (ou acha que é) e decide  usar:

1: a parte de cima do bikini, coberta com roupa normal

Isto é de génio, porquê? Porque só tiramos a parte de cima quando ela já estiver molhada. #fucklogic

Não sei bem se fazemos isso porque: começar a tirar a roupa em terreno (ainda) seco e ficar em bikini será só estranho; porque lá no fundo sabemos que aquela blusa branca vai fazer furor na pista a dar uma de miss t-shirt molhada (totalmente sem querer); ou se somos só mesmo totós.

E lá vamos nós, sensualizando em direção ao espumaçal, de mãos no ar e whisky cola em punho porque alguém ligou p´ra mim e a gente quer ver se é o bola dji fogo.

 

Dependendo do vosso objetivo para essa noite poderão usar bikinis com sistemas de fecho mais complexos, ou como alternativa, dar dois nós nos fialhos. Se se estiverem a sentir mais selvagens, poderão dar apenas um laçarote, pondo-nos a jeito para deixar as Camélias ao léu, acidentalmente, claro.

2: Jeans, porque são intemporais e dão um ar casual

Estamos, na altura, em Bragança e a malta tudo bem que é estudante e um pouco parva mas ninguém vai para ali de cuecas. No entanto, há gente mais atrevida que decide levar saias ou vestidos. Não recomendo. Quando derem por ela, no meio do esfrega-esfrega no epicentro da pista, têm as saias no pescoço.

Eu levei umas calças de ganga, umas que estavam a precisar de ser lavadas. #savingmoney

Toda a gente sabe que as calças de ganga molhadas são super confortáveis! Nem parece que carregamos 10 kg em cada perna, ou tão pouco que se colam ao rabo de uma maneira que parece termos vestido um colete de forças, neste caso, da cintura para baixo.

Dançar com o peso da humidade absorvida pelos jeans até dá jeito porque aproveitas para queimar as calorias do whisky cola.

3: Maquilhagem

Já que estamos savage, porque não trazer um fruto de uma relação proibida entre um panda e uma girafa para este safari que é a pista de dança? Não há nada mais sensual que um olhar borratado de negro e base às manchas a escorrer das bochechas ao pescoço. #sassy

Por-quê? Maquilhagem porquê, migas? Os cosméticos à prova de água não contemplam água com sabão! A espuma não se faz só com água. A espuma acontece quando há sabão. E sabem para que serve a água com sabão? Para tirar a maquilhagem…

Até esta desgraçada sabe disso.

3: Calçado ADEQUADO

Ou seja, galochas… até ao pescoço!

– Não podes usar sandálias porque, além de estúpido, vais ficar com a pele toda enrugada. Só o Momoa é capaz de continuar sexy depois de uma boa dose de osmose aquática. Já nós, comuns mortais, depois de duas horas de molho ficamos mais a parecer a cabeça do Babidi;

– Não podes usar saltos porque, se tiveres um cérebro, sabes que isso vai dar merd@. Ninguém vai para uma festa da espuma de andas nos pés. Se bem que até não era mal pensado, mas o chão vai estar mais escorregadio que um lagar de azeite (nesse sentido também) e é um bilhete direto para cravar os dentes no chão;

– Não podes usar sapatilhas porque com a humidade vais parecer o Son Goku em treinos contra a gravidade. A menos que leves uns feijões mágicos, vais-te cansar rápido – estamos fortes em referências ao Dragon Ball. Então que porra pões nos pés?

– Umas All Star, óbvio! São leves mesmo molhadas e, além disso, vão sair dali tão brancas como quando as compraste.

Ou não… Porque aquele chão no fim da festa vai parecer um poço negro de cinza, álcool e outras componentes pouco higiénicas, além de que se pisas um vidro, és capaz de acabar com um ponto de cruz no pé feito pela auxiliar do hospital… porque os enfermeiros estão em greve. #bocaparabarulho

3: Clutch ou pochete

Tanto aprontamento, tanta preparação, entras na discoteca linda e maravilhosa e à entrada… dão-te um saquinho de plástico para colocares os teus bens. Mesmo à recluso, estão a ver?
“- Olhe, tem aqui um saquinho para guardar as suas coisinhas, sim?”
E nós aí temos de fazer escolhas e decidir o que queremos mesmo ter à nossa beira e, ao mesmo tempo, o que não deixará pena caso se estrague.
A tua mala é agora um saco de plástico para colocares dinheiro, cartão de consumo, tabaco e isqueiro. Loles. Experimentem fumar no meio da espuma.

PARTY MODE

Isto merecia um #10yearchallenge sobre aos grandes hits das pistas de dança (merd@, estou mesmo velha): Resumidamente, eu em 2009 sabia dançar. Em 2019 não sei. É só isto.

A música hoje em dia precisa de instruções: “Todo o mundo p´ra direita / Todo o mundo para a esquerda / Todo o mundo p´ra direita / Como é que é? / Agora é só para elas / Mexe o bumbum bumbumbumbumbumbumbum”.

Hoje em dia, entro numa discoteca de saltos e saio de lá de andarilho, estas ancas já não aguentam tanto treme-treme e há um certo número máximo de agachamentos que estas pernas são capazes de fazer. Naquele tempo ao menos a música era de jeito.

Ok, esqueçam a música de jeito.

Passemos à temática central: Festa da Espuma. Esse banho de micróbios em que nos enfiamos com tanta alegria e entusiasmo. Se eu tivesse que resumir este evento numa só palavra seria… NO-JO! Sabemos nós lá o que está misturado com aquelas bolhinhas. Ah… mas imaginamos… ou observamos a vida selvagem à nossa volta e tiramos conclusões:

  • Quando virem alguém a coçar-se todo, imaginem porque é que de repente teve um ataque de urticária que mais parece um doente com sarna;
  • Quando virem um jovem, estranhamente isolado, parado durante alguns segundos no mesmo sítio, imaginem porque é que a malta à volta está feliz porque a espuma ficou mais quentinha;
  • Quando virem uma jovem de costas no roça-roça com o seu parceiro, imaginem porque é que ela parece um forcado de costas para o touro;

Se aquela espuma fosse para analisar, deixaria a malta dos laboratórios do CSI confusa. Depois de terem estado numa festa destas, por favor façam despiste de doenças infetocontagiosas… e um teste de gravidez.

a minha near death experience

Eu devia ter processado o organizador da party, ou qualquer outra pessoa responsável, pela minha experiência de quase morte. Sim, quase morri! Talvez até merecesse tendo em conta o senhor supra mencionado na intro deste artigo.

Para perceberem melhor, a pista de dança da discoteca onde fui ficava numa espécie de piscina (muito apropriado). Haviam duas zonas: Uma mais alta onde a espuma não chegava – a zona da malta inteligente – e havia a zona da espuma, uma espécie de tanque que ficava uns 10 degraus mais abaixo.

Sabem o que acontece quando colocam objetos dentro duma bacia com água, certo? Aquilo transborda. Acontece o mesmo com a espuma – chama-se ciência.  Quanto mais espuma e quanto mais pessoas, menos espaço livre e quando dás por ti, a espuma já está pelo pescoço.

Estava eu e uma amiga a curtir a dança que mais parecia uma orgia entre gente semi vestida, patrocinada pelos géis lubrificantes da Control, quando eu decido controlar o canhão de espuma e ficar de frente para ele, a uma distância relativamente segura – toda esta frase me parece errada…

festa da espuma

O canhão dispara e para eu não levar com aquilo na cara, decido virar-me de costas – continua a soar muito esquisito tudo isto, eu sei – com as mãos protejo os olhos mas… ao levar as mãos à cara, levo também um pedaço de espuma que comi. Num nano-segundo lembro-me que aquela espuma deve estar cheia de vermes e bactérias, xixi e até coisas que não me vou atrever a dizer e começo a tossir.

Quando tossimos, existe um reflexo do corpo para nos dobrarmos e foi assim que me perdi literalmente debaixo de espuma. De olhos fechados, sem conseguir respirar, a tossir incessantemente, à procura de terra naquele mar de micróbios. E é aqui, quando já começamos a ver luz brilhante e o S. Pedro a abrir os portões, que percebemos o que é uma verdadeira amizade…

Caguei para a amiga e tentei salvar-me!

Lá recupero o folgo, consigo limpar a cara e começo a procura-la. Lá nos encontramos e tivemos a conversa mais franca de sempre:
– Fod@-se, ia morrendo! C@guei em ti, só quis sair dali!
– Caralh#, também eu! Estás bem?
– Estou. Vamos embora?
– Vamos.

Saímos da discoteca encharcadas da cabeça aos pés, como se tivéssemos caído num poço, e com um cheiro que é uma mistura de naftalina com OMO.

Fui a pé para casa porque não houve taxista que quisesse dar boleia à Samara do The Ring.


Os agradecimentos neste artigo vão para a OMO e em especial para Deus, pelo milagre de eu não ter contraído qualquer doença, nem ter neste momento um filho com quase 10 anos. A mim, não me apanham noutra, até porque já houve gente que morreu eletrocutada…. azares.

Ajuda o pêlo a crescer!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.